FUTEBOL DE AREIA

FICHA TÉCNICA

Modalidade – Futebol de Areia
Origem – Brasil
Ano de Criação – Anos 20
Local de Criação – Rio de Janeiro/RJ
Inventor – Não há referência
histórica a um único “inventor”
Local de Prática – Quadra de Areia
Participantes – 11 jogadores por equipe, 05 jogadores na quadra por equipe.
Equipamentos – Bola e rede
Esporte Olímpico – Não

Em sua versão original o futebol de areia, também conhecido como “Futebol de Praia” ou “Onze contra Onze”, cujas regras são praticamente similares às do futebol de campo [diferenças apenas no tempo de duração das partidas e dimensões do campo de jogo], já era praticado nas praias brasileiras, pelo menos desde os anos 1930 [há registros bibliográficos, contudo, dão conta da prática desse esporte já nos anos 20, na famosa praia de Copacabana-RJ]. Na década de 1960, campeonatos foram organizados em Santos (SP) e nas cidades do Rio e Niterói, ambas no Rio de Janeiro. Até mesmo um campeonato brasileiro de seleções foi realizado nessa década. Essa versão tradicional continua ativa nas praias cariocas, onde uma federação realiza campeonatos regulares, com a participação de clubes amadores a ela filiados. Na cidade do Rio de Janeiro, aliás, o quase centenário futebol de areia é tombado desde 2017 como “Patrimônio Cultural, Imaterial, Social e Turístico” por força de Decreto Lei Municipal, além de ser considerado desde os anos 60 como “De Utilidade Pública”, também por obra de Decreto Lei Municipal.
O futebol de areia na sua versão, versão atual, “Cinco contra Cinco” ou “Beach Soccer”, como ficou mundialmente conhecido ao ultrapassar as fronteiras brasileiras, começou a ser disputado em 1992, quando as regras do jogo foram criadas e um campeonato piloto foi organizado. A versão moderna do centenário futebol de areia dava seus primeiros passos, com alguns jogos de exibição. Em 1994, uma rede de televisão e uma agência de marketing firmaram parceria para a realização do I Mundialito de Futebol de Areia, competição que aconteceu no mês de abril, na famosa praia de Copacabana. Jogando em casa, empurrado pelos milhares de torcedores que lotaram as arquibancadas, o Brasil sagrou-se campeão, superando a Itália na decisão (Estados Unidos e Argentina também participaram). Além do público excepcional que compareceu ao evento, o gol de bicicleta marcado por Cláudio Adão foi destaque no noticiário da TV nacional. Era o atual formato conquistando o povo brasileiro.
Criado como opção de lazer e entretenimento, o futebol de areia em sua versão renovada alcançou todos os objetivos devido às suas características, o que garante popularidade e audiência de TV. Tais como:
Estilo de vida: o ambiente de jogo são as praias, o que sugere um estilo de vida descontraído e saudável, com sol, mar e belas paisagens;
Regras do jogo, dimensões do campo e a superfície irregular proporcionam constantes ações de gol, jogadas plásticas, como bicicletas e voleios, além de uma altíssima média de gols;
Tempo de jogo, que se divide em três períodos de 12 minutos, com intervalos de três minutos cada. Este formato facilita a programação de TV, que pode desenvolver um show de uma hora de duração com abertura, intervalos comerciais e encerramento, mantendo o interesse do público.
Em 1998, a fim de se adequar à legislação brasileira vigente (Lei Pelé), três federações estaduais fundaram uma confederação nacional, a CBBS. À época contando com 22 federações estaduais filiadas, a entidade tinha a responsabilidade de gerir a modalidade, organizando competições interestaduais, nacionais ou internacionais, em parceria com as federações.
Os primeiros jogos, ainda como exibição, foram disputados em 1993. Em 1994, com um plano de desenvolvimento e expansão, a modalidade passou a ser praticada nos quatro cantos do planeta. Na Europa, em 1996, foi criada a Liga Europeia, e atualmente quase 120 países participam de competições pelo mundo, alguns deles, inclusive, na versão feminina.
No início de 2005, o futebol de areia recebeu a chancela da FIFA, que realizou em maio daquele ano, na praia de Copacabana, no Rio de Janeiro, a primeira edição da Copa do Mundo FIFA. A França ficou com o título, vencendo Portugal na final, e o Brasil completou o pódio, na terceira posição. A “Cidade Maravilhosa” voltou a sediar a competição em 2006 e 2007, e a Seleção Brasileira, empurrada pela torcida, conquistou o bicampeonato mundial invicto.
Em 2008, a Europa recebeu a Copa do Mundo. E na francesa Marselha, o Brasil subiu ao topo do pódio mais uma vez. Em 2009, o filme se repetiu em Dubai (Emirados Árabes), com o tetracampeonato mundial invicto dos “reis da praia”.
Depois da passagem pelo “mundo árabe”, a Copa do Mundo passou a ser disputada a cada dois anos, ou seja, apenas nos anos ímpares. Ravenna, na Itália, foi escolhida como sede da edição 2011, e a Rússia sagrou-se campeã mundial pela primeira vez, vencendo o Brasil na final por 12 a 8.
Itinerante, a Copa do Mundo chegou a Papeete (Taiti) em 2013 para consagração do beach soccer russo, que conquistou o segundo título mundial ao bater a Espanha na decisão por 5 a 1. A Seleção Brasileira ficou com a terceira posição. Em 2015, foi a vez de Espinho (Portugal) sediar uma edição FIFA e os anfitriões aproveitaram bem a oportunidade, conquistando o título inédito ao derrotarem os taitianos por 5 a 3. O Brasil terminou na quinta colocação.

Entidade Nacional: Confederação Brasileira de Beach Soccer-CBBS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *