ACQUA RIDE

FICHA TÉCNICA

Modalidade – Acqua Ride
Origem – Brasil
Ano de Criação – 1983
Local de Criação – Jundiaí/SP
Inventor – Roberto Cintra
Local de Prática – Corredeiras
Participantes – individual
Equipamentos – Bote inflável, luvas e capacete
Esporte Olímpico – Não

Acqua ride, também conhecido como bóia cross, surgiu na década de 70 no Brasil com a velha brincadeira de descer um rio com correntes impetuosas em câmaras de ar.
O é esporte é praticado nas corredeiras dos rios; o atleta posiciona-se de peito em um mini bote inflável. A descida do rio é feita geralmente em grupos. O Bóia-Cross é praticado de barriga para baixo, deitando-se sobre a bóia com a cabeça na extremidade frontal da bóia e os pés na parte final da bóia, já praticamente dentro da água.

Praticado por homens e mulheres de todas as faixas etárias, indiferente do seu porte físico. São divididos em 5 categorias, que parte do iniciante ao profissional.
Consiste em descer corredeiras sobre uma câmara de ar em formato oval, com alças para apoio do atleta. Não são utilizados remos e sim as mãos como propulsores. Equilíbrio e reflexo são componentes essenciais, além de acessórios como luvas com formato parecido com pés de pato, utilizado pelo atleta para manobras do bote, adquirir velocidade e desviar dos obstáculos. Como segurança, acrescenta-se ainda a necessidade de capacete, colete salva-vidas, canejoelheira e roupa de neoprene. Segundo Hélio Beteli, instrutor na escola HR Esportes Radicais, qualquer pessoa pode praticar, sendo que crianças somente acima de 1,30m de altura.
Utilizado também para alcançar determinados pontos dos Rio e retirar o lixo de suas águas e margens, a brincadeira virou esporte quando um dos amigos “RIDE”, o Professor Jundiaiense de Educação Física Roberto Cintra, amarrou a câmara de ar em um formato oval e deitou-se de peito, criando uma nova forma de experimentar as corredeiras do rio, transmitindo a vários amigos a novidade.
No ano 2003 as câmaras de ar foram substituídas por botes infláveis. E no ano 1990 foi desenvolvido uma capa com alças que revestiam as câmaras de ar, dando um grande impulso para a evolução do esporte, pois as alças ofereceram mais segurança e maior número de manobras, possibilitando enfrentar corredeiras maiores e com técnicas mais aprimoradas.
O esporte totalmente brasileiro surgiu em uma expedição nas cavernas de Iporanga/SP, na brincadeira de um grupo de amigos em descer o rio sobre câmaras de ar nas águas do Rio Betary.
Origem: Na região do Parque Estadual Turístico do Alto da Ribeira – Petar, entre as cidades de Iporanga e Aiaí, em São Paulo, encontra-se a maior concentração de cavernas do estado de São Paulo. Exploradores da Sociedade Brasileira de Espeleologia–SBE, por diversão introduziram o bóia-cross no Brasil. Utilizando bóias de caminhão para transportar equipamentos pesados, chegaram à prática como entretenimento e logo conquistaram novos adeptos. Numa versão mais arrojada e mais evoluída em termos de equipamento, o acqua ride surgiu no Brasil, nos anos de 1970 entre uma brincadeira nas águas brancas do Rio Betary, no Vale do Ribeira, em São Paulo. Conforme relatos de Hélio Beteli (ABAR), que há 12 anos se dedica ao acqua ride, o inventor do bóia cross foi o professor jundiaense Roberto Cintra, que o introduziu nesta prática. Posteriormente Edsel Staeheli, já falecido, aprimorou a técnica e inventou o acqua ride. A Associação Brasileira de Acqua Ride-ABAR é a entidade que administra a modalidade, atualmente reconhecida pela Federação Paulista e pela Confederação Brasileira de Canoagem. Em outros países já se tem notícia de práticas similares com outras nomenclaturas como hidrospeed e river board, mas circula no meio ser esta uma prática esportiva genuinamente brasileira.
2000: O Acqua Ride é reconhecimento oficialmente como uma modalidade da canoagem. Esta ano registra também grandes avanços tecnológicos, como por exemplo o desenvolvimento de um modelo de bote inflável em PVC, melhorando a hidrodinâmica e flutuação, além de outros tipos de equipamentos como coletes e canejoelheiras.
Detalhe: quanto maior a corredeira, maior a emoção.
Situação Atual:
Segundo informações da ABAR, o turismo é a principal fonte de crescimento do acqua ride. Embora a entidade registre atualmente 700 associados, acredita em um número bem maior de pessoas que já tenham praticado a modalidade como ocasionais, que já está inserida nos roteiros de várias operadoras de turismo. Devido a aceitação e crescimento, ainda focado no Estado de São Paulo, a ABAR desenvolve cursos para instrutores e interessados na prática como lazer.Através da capacitação profissional, esta entidade objetiva fomentar simultaneamente o mercado interno como exportar know how para outros países. Além do Estado de São Paulo, que conta com grande representação, nos estados de Goiás, Minas Gerais e Amazonas observa-se também um avanço em relação a outros estados brasileiros. As cidades de Pedreira, Iporanga, Socorro, São Francisco Xavier e Brotas sediam as etapas do Campeonato Brasileiro de Acquaride, com aproximadamente 50 atletas por etapa.
Considerando o apelo lúdico das práticas, o potencial geográfico nacional e a tendência mundial do turismo de aventura, constata-se um grande potencial de desenvolvimento da modalidade no país por ser na origem um “produto” nacional.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *